#compartilhe

Março Mulher

Thumb mar o mulher Publicada em 08/03/2016, 12:24

Março Mulher

O governo do Estado do Piauí e a Prefeitura de Teresina, através das Coordenadoria de Políticas Públicas para as Mulheres realizam este mês, vários eventos em homenagem ao Dia Internacional da Mulher. A programação começou no dia primeiro e prossegue até o final de março e inclui palestras, festival de música, roda de diálogo e exibição de filmes.
No Dia 8 foram realizadas palestras, manifestação do movimento mulheres e feministas, campanha do laço branco, entrega de rosas, roda de diálogo e assinatura do termo de cessão para a construção da Casa da Mulher Brasileira em Teresina.
Confira a programação:
Dia 9
Manhã e tarde – SEAS na Comunidade: Violência contra a mulher, nas Escolas Municipais Paulo Nunes e Mário Covas. 
9h – Filme: E se vivêssemos todos juntos?, no Lar de Santana.
Dia 10 
Manhã e tarde – SEAS na Comunidade: Violência contra a mulher, na Escola Municipal Lindamir Lima e UPA Renascença. 
9h – Palestra: Incontinência Urinária, no Lar de Santana.
Manhã – Gênero e Violência: Os Direitos Humanos das Mulheres, no CRAS Norte V- Território Norte.
Dia 11
8h – Oficina sobre a Lei Maria da Penha com o Grupo de Convivência Familiar “Flor do Tempo”, no CMEI Pedro Balzi.
8h às 14h30 – Mexeu com uma, mexeu com todas – Café da Cidadania, na Praça da Igreja Católica do bairro Renascença.
8h às 12h – Cinema em casa na praça do Punaré.
15h – Dia da beleza, no Lar de Santana.
Dia 12 
14h – “Delas para Tod@s” – Roda de Diálogo sobre a violência contra a mulher e saúde da mulher, no Centro da Cultura Hip Hop, no bairro Parque Piauí.
17h – Atividade integrada, no CEU-SUL.
Dia 13
Dia de lazer no Nova Cajaíba.
Dia 14
Manhã – Capacitação seriada das conselheiras municipais dos direitos das mulheres com o tema: Políticas Públicas para as Mulheres e Controle Social: reflexões e debates, na sede do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher.
Dia 15
9h – Roda de Conversa sobre a Lei Maria da Penha, no NAI do Promorar.
Manhã e Tarde - Manhã e tarde – SEAS na Comunidade: Violência contra a mulher no CRAS Sudeste III UBS do Saci.
Dia 16
8h - 8h – Oficina sobre a Lei Maria da Penha com o Grupo de Convivência Familiar “ Gestação e Gênero”, na UBS Raimunda Soares.
9h – Roda de Conversa sobre a Lei Maria da Penha, no NAI do KM 07/Vila São Francisco Sul.
Tarde – SEAS na Comunidade: Violência contra a mulher, na Escola Municipal Artur Medeiros.
Dia 17
8h às 12h– Mulher: com Rosas e Direitos, no auditório do CRAS Sudeste II.
Manhã – Gênero e Violência: Os Direitos das Mulheres, no CRAS Sul II-Território Sul.
17h – Reunião Mulheres na luta pela igualdade e Oportunidades, no colégio Dilson Fernandes, no bairro São Joaquim.
Tarde- – SEAS na Comunidade: Violência contra a mulher, na Escola Municipal Extrema.
Dia 18
9h – Apresentação das ações da CMPM, no PSH Taboca do Pau Ferrado.
14h – Oficina: Fortalecimento de identidade da mulher negra, na Creche Tia Mônica.
Dia 19
18h30- Cine Mulheres com o filme “As Horas”, baseado no livro Michael Cunninghan, na sede do MAIS.
Dia 22
Manhã - – SEAS na Comunidade: Violência contra a mulher no CRAS Sudeste IV.
18h – Seminário em alusão ao Dia Internacional da Mulher no Campus da Universidade Estadual, em Campo Maior.
Dia 23 
9h – Oficina sobre a Lei Maria da Penha com o Grupo de Convivência Familiar “ Novos Horizontes para Cidadania ”, no Centro de Convivência Alto da Ressurreição.
16h – Mulher e Segurança, na praça Pedro II.
14h às 19h – I Encontro de Mulheres pela Educação, no auditório do CREA, em Teresina.
Tarde- – SEAS na Comunidade: Violência contra a mulher na Escola Municipal Antonio Ferraz.
Dia 24
Manhã e tarde – Grupo de Acolhida: abordará o tema através de vídeos e documentários com o grupo, em local a definir.
Dia 28 
9h - Oficina sobre a Lei Maria da Penha com o Grupo de Convivência Familiar “ Cidadania em Movimento”, no CRAS Sudeste III.
De 28 a 30
7h, 9h,13h e 15h – Projeto Lei Maria da     Penha em Cordel nas Escolas, na zona sudeste.
Dia 29 
11h – Inauguração da ampliação e reforma da Maternidade Professor Wall Ferraz, no Dirceu II.
29 a 31
Manhã e tarde- Ação das Unidades Móveis de Atendimento às Mulheres em situação de Violência do campo e da floresta na comunidade Chapada em Picos,no assentamento Gaturiano em Dom Expedito Lopes e na comunidade Uberlânida Ambrosio, em Geminiano.
Dia 30
11h – Entrega do Espaço de Convivência Amor de Tia, no Centro de Convivência do bairro Matadouro.
Tarde - SEAS na Comunidade: Violência contra a mulher na Escola Municipal Bom Princípio.
Dia 31
Manhã 
Gênero e Violência: Os Direitos Humanos das Mulheres, no CRAS Leste II – Território Leste.
Palestra sobre o protagonismo da mulher e o enfrentamento da violência de gênero: compromisso de todos; 2ª edição do Viva Mulher do Território Sudeste, em local a definir.
Oficina socioeducativa com usuários sobre a violência contra a mulher, no Centro dia.
Manhã e tarde – Grupo de acolhida com apresentação de vídeos e documentários, em local a definir.
17h- Lançamento do projeto Laço Branco nos CRAS e CREAS com apresentação do cordelista Tião Simpatia, no CEU Sul.

 


Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa

Thumb baianas foto joao ramos Publicada em 30/01/2015, 09:07

Entidades brasileiras celebram, nesta quarta-feira (21), o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. A data foi instituída em 2007 depois da morte da sacerdotisa do candomblé Gildásia dos Santos, conhecida como Mãe Gilda. Após ter a casa e o terreiro invadidos por grupos de outra religião e o marido agredido, a  iyalorixá morreu em decorrência de um infarto. Atualmente, o dia é uma oportunidade para atentar sobre a necessidade de se respeitar a diversidade religiosa e, assim, reduzir os casos de crimes de ódio no País.

Somente em 2014, o Disque 100, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), recebeu 149 denúncias de discriminação por motivação religiosa. A maioria, 26,17%, foram do Rio de Janeiro e, 19,46%, de São Paulo. O número representa uma redução em comparação com 2013, quando foram recebidas 228 ligações ao todo.

Entre as religiões mais discriminadas estão as de matriz africana, como o candomblé e a umbanda. O mesmo balanço mostra que 35,39% das vítimas de discriminação por motivação religiosa eram negros, enquanto 21,35% eram brancos e, 0,56%, indígenas. Esses dados mostram que a intolerância religiosa também está ligada à discriminação racial.

Mãe Gilda – No dia 21 de janeiro de 2000 a mãe de santo sofreu um infarto após ser acusada de charlatanismo pelo jornal Folha Universal, da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD). O veículo foi publicado com a seguinte manchete: “Macumbeiros charlatões lesam o bolso e a vida dos clientes”. A partir daí, grupos de outra religião invadiram a casa dela, agrediram seu marido e depredaram o terreiro que ficava no local.

Da Redação, Agência PT de Notícias com informações do Portal Brasil